Sequência de lesões vira problema para o Brasil, mas jogadoras defendem trabalho da comissão

Baixas constantes preocupam seleção feminina para a sequência da Copa do Mundo.

| GLOBOESPORTE.COM / AMANDA KESTELMAN


Foi um baque para todo o grupo. Na realidade, mais um ao longo das últimas semanas. Peça importante no time do técnico Vadão, Andressa Alves sofreu uma lesão na coxa durante o treinamento da última segunda-feira. Antes, duas atletas foram cortadas do plantel também por problemas físicos: Erika seguiu com o grupo na Copa, enquanto Fabiana voltou para casa.

Logo no começo da preparação, Marta também sofreu uma lesão na coxa e precisou ser poupada na estreia do Mundial, diante da Jamaica, e no segundo tempo da partida contra a Austrália.

Além da comoção que lesões e cortes causam internamente, o cenário acaba levantando dúvidas sobre a carga e preparação física. Ao ser perguntada sobre isso após a vitória sobre a Itália, Cristiane saiu prontamente em defesa do trabalho que vem sendo realizado desde antes da Copa do Mundo. Ela precisou de um trabalho à parte com a comissão que começou ainda no Brasil para ter condições de jogar o Mundial - e agradeceu muito aos profissionais após os três gols na estreia.

Diante do cenário, a atacante fez questão de enaltecer o trabalho do preparador físico Fabio Guerreiro.

- Não vou questionar o trabalho do Fabinho. Não avaliaram como ele me recuperou e recuperou a Bia (Zaneratto)?

"Ninguém viu que a Andressa veio de uma temporada longa na Europa, jogou a final da Champions e só teve três dias de folga"

Acho até injusto questionar o trabalho de caras que fazem um baita de um trabalho. Todos estão fazendo a mesma coisa. Tinha treino que ele até tirava o pé. Sinto o esforço que ele faz para eu estar aqui hoje - disse Cristiane.

Cinco de seis combinações põem França no caminho da seleção brasileira feminina; entenda

Marta supera recorde de Klose, e Brasil vai às oitavas com vitória sobre a Itália

Muito chateada com a lesão que a tirou da Copa do Mundo, Andressa Alves também ressaltou que sua temporada no futebol espanhol terminou pouco antes do início da preparação da Copa do Mundo.

"São 12 meses sem descansar"

- Nos dois primeiros jogos, corri 11 quilômetros. Poderia me machucar no jogo hoje também. Não temos controle sobre nosso corpo. Jogador vive isso. Vi muitos jogadores machucarem no pré-copa masculino também. Acho que é normal - afirmou a jogadora do Barcelona.

A comissão técnica do Brasil reforça a tecla de que o fato das atletas estarem espalhadas em ligas diferentes do futebol mundial atrapalha o processo de controle do preparo físico, uma vez que os calendários e cargas são diferentes em cada país.

Sobre a sequência de lesões, Vadão comentou cada um dos casos específicos desta Copa do Mundo.

- Não tem erro (que gerou as lesões). A Andressa Alves foi poupada até o dia de ontem. Ontem (segunda) ela sentiu no aquecimento. Não foi um treino forte, de velocidade, ou qualquer coisa. A Fabiana vinha com histórico de lesões e se recuperou com muito sacrifício. Ela ficou um ano e meio tendo jogado só um jogo no Canadá. A Cristiane passou pelo mesmo processo de lesões musculares. A Fabiana foi para o Inter e rompeu o ligamento, voltou a jogar e a gente convocou - frisou o técnico, concluindo em seguida:

- No treinamento, ela sentiu dores e tivemos que cortar. A Erika foi diferente, pois estava jogando no Corinthians e teve uma lesão no tornozelo. No último dia, ela não sentiu o tornozelo, mas sentiu a panturrilha. Essas duas atletas foram cortadas com antecedência, não prejudicaram nada.

Marta ainda busca ficar 100%

Depois de ficar fora da estreia e dos 45 minutos jogados contra a Austrália, Marta ficou em campo mais tempo do que previa na vitória por 1 a 0 sobre a Itália. A camisa 10 da seleção foi substituída aos 37 minutos do segundo tempo. Ela espera alcançar sua forma física ideal na fase mata-mata.

- Mais do que eu esperava.

"Estou bem, sinto que estou evoluindo, mas ainda falta aquele 100%, sem ter receio de voltar a sentir a mesma dor"

- Consegui jogar até não ter nenhum sinal, quando bateu 80 minutos comecei a sentir e pedi para sair.

Próxima parada

Por conta do equilíbrio da chave, o Brasil avançou na terceira posição do Grupo C da Copa do Mundo Feminina, mesmo com duas vitórias. Agora espera o encerramento das outras chaves para conhecer seu próximo adversário - e também saber a data do confronto pelas oitavas de final. Provavelmente, a Seleção enfrentará a França no domingo, às 16h (de Brasília), em Le Havre.

Essa possibilidade pode se confirmar nesta quarta, caso a Argentina vença a Escócia, pela 3ª rodada do Grupo D. No caso de qualquer outro resultado neste jogo, fica no ar ainda uma combinação em que o time de Vadão teria a Alemanha pela frente no sábado, às 12h30 (de Brasília), em Grenoble.



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE