Filme de MS é o único brasileiro selecionado em festival da Holanda

'Madalena' é o único filme brasileiro selecionado em um dos mais importantes festivais de cinema da Europa.

| THAILLA TORRES / CAMPO GRANDE NEWS


A atriz sul-mato-grossense Pâmella Yule interpréta uma das protagonistas, Bianca. (Foto: Reprodução Madalena)

Madalena, um filme sul-mato-grossense de suspense, foi anunciado como o único filme brasileiro para a competição oficial de longa-metragem do Festival de Cinema de Roterdã 2021. Ficção marca a estreia do diretor mato-grossense Madiano Marcheti em longas-metragens.

O evento acontece em duas etapas, entre 1º e 7 de fevereiro e 2 e 6 de junho de 2021, em formato híbrido - presencial e online. Clélia Bessa, Joel Pizzini, Sérgio Pedrosa, Marcos Pieri, Beatriz Martins são os produtores do longa, que será distribuído no Brasil pela Vitrine Filmes. A produção é da PóloFilme e da Raccord, em coprodução com Vira Lata e Terceira Margem.

“Madalena' põe a diversidade como resistência, que tenta superar o medo e transformá-lo em afeto que o mundo necessita. Um longa-metragem de suspense, com maioria dos atores sul-mato-grossenses e que foi gravado em Dourados.

O filme tem como ponto de partida o corpo de Madalena, encontrado em uma plantação de soja. Na sequência a trama acompanha a história de três jovens - Luziane (Natália Mazarim), Bianca (Pamella Yule) e Cristiano (Rafael de Bona), que vivem contextos diferentes em uma mesma cidade. Embora não se conheçam, o espírito de Madalena que esvoaça sobre a cidade, torna-se um elo entre os três. O longa denuncia a violência constante do país que mais mata a população LGBTQIA+.

“Estou extremamente feliz e honrado pela oportunidade de estrear meu primeiro longa-metragem em um festival da envergadura do Festival de Roterdã. Nós cineastas brasileiros enfrentamos muitas dificuldades para fazer com que nossos filmes cheguem às telas, sobretudo no momento atual que é particularmente sombrio no que diz respeito ao setor da cultura', diz o diretor.

Madiano agradece a a chance de levar mais um filme brasileiro para uma janela internacional de cinema tão prestigiada, principalmente um filme do Centro-Oeste brasileiro que procura levantar discussões que ele considera importantes e urgentes, “como meio ambiente e direitos humanos', acrescenta.

O filme também foi o único representante do Brasil no Festival de San Sebastian, na Espanha, na categoria Working in Progress, em 2019.


Curta a página JORNAL RADAR MS e seja o primeiro a saber de todas as notícias do Mato Grosso do Sul.


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE